PMBOK: Ferramentas e Técnicas - Diagrama de Causa e Efeito / Diagramas de Ishikawa / Diagramas de Espinha de Peixe


Os Diagramas de Causa e Efeito, também chamados de Diagramas de Ishikawa ou Diagramas Espinha de Peixe ou, ainda, Diagrama “6M”, ilustram como os diversos fatores de origem podem ser ligados a possíveis problemas ou efeitos, sendo por isso uma ferramenta muito útil para identificar, explorar e relevar todas as causas possíveis de um determinado problema ou condição específica.

Nas áreas industriais, e genericamente em muitas outras áreas, as principais causas podem ser agrupadas em 6 categorias, conhecidas como os “6M”.


Essas causas são: Método, Mão-de-obra, Material, Máquina, Meio Ambiente, Medida. Já no âmbito dos processos administrativos as principais causas de falha são apenas 4: Políticas, Procedimentos, Pessoal e Layout das Instalações.

Em termos práticos o gestor de projeto deve encontrar, em conjunto com os restantes elementos da sua equipa, e com outros interessados no projeto, qual é o conjunto de causas básicas (grandes causas) que é relevante no contexto específico do projeto que está a realizar.

A construção do diagrama de causa e efeito é algo que se adapta particularmente bem a ser realizado no âmbito de uma, ou várias, sessões de Brainstorming. Como ferramenta de suporte à construção do diagrama, pode usar-se um simples quadro branco e canetas de várias cores. Se a equipa de projeto ou os restantes interessados estiverem dispersos geograficamente, pode usar-se o MS Word ou MS Excel, ou recorrer a um software um pouco mais específico, como por exemplo o MS Visio.

Seja qual for o suporte usado, devem ser seguidas as seguintes regras básicas:
  1. O efeito / problema / característica de qualidade a ser analisada é colocado do lado direito do gráfico
  2. Para cada problema existem inúmeras causas. Identifique as grandes causas e represente-as do lado esquerdo do gráfico, de forma dispersa, ao longo de uma espinha central.
  3. Depois de identificadas todas as grandes causas, comece o processo de detalhe, identificando as causas secundárias que estão associadas a cada uma dessas grandes causas e, seguidamente, as causas terceiras que estão associadas a cada das causas secundárias identificadas. Para este processo de detalhe pode, no âmbito do brainstorming, usar a técnica dos “5 Porquês”. Este procedimento de detalhe termina quando se atinge um ponto de saturação em que já não se identificam novas causas, ou em que as novas causas identificadas não são mais do que formas 
Por exemplo, se quisermos analisar as causas que originam um determinado problema no âmbito de um processo industrial:
  1. Comece com uma folha em branco em formato “paisagem”
  2. Divida a folha com um traço horizontal ao meio (a espinha dorsal do peixe)
  3. Descreva, no lado direito da folha, o problema (efeito) para o qual procura as causas (a cabeça do peixe) 
 
  1. De cada um dos lados do traço horizontal, desenhe traços perpendiculares, um por cada uma das grandes causas que estão na origem do problema. Para as grandes causas pode usar as que habitualmente são referidas como causas para determinado tipo de problema (Ver acima)
  2. Complementarmente podemos realizar uma sessão de Brainstorming para decidir com outros intervenientes no processo, qual é a lista das grandes causas para o problema em análise

  1. Após encontrar todas as grandes causas relevantes comece, para cada uma delas, a procurar as respetivas causas secundárias. O uso da Técnica dos 5 Porquês é muito útil para determinar os diversos níveis de causas secundárias, até encontrar as respetivas causas raiz (root cause). Para as 6 grandes causas identificadas anteriormente, podemos encontrar várias causas secundárias de 1ª ordem:
    1. Método: Inspeção e/ou Procedimento
    2. Mão-de-Obra: Físico e/ou Mental
    3. Material: Fornecedores e/ou Próprio
    4. Máquina: Deterioração e/ou Manutenção
    5. Meio Ambiente: Clima e/ou Intempéries
    6. Medida: Instrumento e/ou Inspeção

A procura das causas raiz (root cause) que estão na origem de determinado problema é a única forma de, eliminando-as, conseguir uma solução definitiva para o problema em causa. Qualquer ação sobre causas, que não incida sobre as causas raiz (root cause), é uma ação que visa camuflar ou mitigar o problema em vez de o corrigir.

Para conhecer mais sobre ferramentas  de melhoria de processos consulte a nossa página sobre 6-Sigma.

Se pretender saber mais sobre atuação preventiva centrada na eliminação de ocorrências de falhas consulte o nosso artigo sobre Análise de Modos de Falha e Efeitos (AMFE / FMEA).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

9 Programas de Software Grátis para Gestão de Projetos

PMBOK: Ferramentas e Técnicas - Estimar Custos do Projeto

Como Fazer o Plano de Comunicação do Projeto